quinta-feira, 20 de abril de 2017

O maior desejo de qualquer mãe

O que qualquer mãe mais deseja é a saúde dos seus filhos. Essa é a grande prioridade e, mesmo que haja muitas noites mal dormidas e algumas birras, se os nossos pequeninos forem saudáveis, tudo se vai fazendo. O problema é quando os problemas de saúde nos batem à porta.
 
A minha mais velha, no seu primeiro ano de vida, teve imensas vezes doente, mas poucas foram as de grande preocupação, ou seja tudo viroses, com necessidade de medicação para controlar a febre e pouco mais. 
 
A mais nova tem dado mais alguma preocupação. Infecções bacterianas, com necessidade de antibiótico, misturadas com as viroses características da idade, tem-nos obrigado a uma atenção constante com a  sua saúde. E a verdade é que nunca se está descansado, temos sempre um desconforto interno, sempre uma atenção aos mínimos sinais, para não deixar evoluir situações que sabemos poder ser graves.
 
No fim de semana assim foi. Algo fez soar os alarmes na minha cabeça e, instinto de mãe não falha.
 
Medicação, exames, consultas em mais especialidades. É isto. Sempre com o coração um bocadinho fora do peito. E no meio disto tudo, levar uma vida normal, o mais normal possível, manter as rotinas das duas, principalmente da mais velha, ser mãe e pai para as duas, tentar termos uns momentos para conversarmos os dois, delinearmos estratégias comuns, estarmos como casal que somos e que pouco tempo (e energia) temos para ser.
 
Sentimos muitas vezes que não conseguimos fazer passeios giros, que nos tem faltado o tempo a 4 de qualidade, sem nenhuma doente. Mas já estamos a planear um fim de semana em breve, para matarmos saudades uns dos outros e do ar puro!

E agora é só esperar que a pequenina recupere e não volte a ter problemas tão cedo!
Haja saúde!

terça-feira, 18 de abril de 2017

Porque será que temos sempre o "não" na ponta da língua?

Na verdade é muito mais fácil dizer que sim. Quantas vezes os nossos filhos nos pedem alguma coisa e a nossa primeira reacção é "Não". Quando na verdade, se pensarmos melhor, até podemos começar a frase com um  "sim", o que muda de imediato toda a história. Ontem aconteceu-me uma dessas situações.
 
A minha filha pediu-me para "acampar"e dormir na tenda. E a minha primeira resposta foi "Não, filha", seguida de todo um conjunto de desculpas: não é confortável ficares lá toda a noite, não temos colchão para o chão da tenda, depois acordas meia baralhada a meio da noite, etc. Eu queria era deitá-la na caminha e poder descansar um bocado também! Estamos a falar de uma tenda do IKEA que vamos montando/desmontando no quarto de brincar, sempre que ela se lembra de querer um esconderijo ou quando pede especificamente por ela. Claro que ela começou a choramingar, que queria muito acampar, e anda lá mamã só hoje, vá lá deixa. Eu parei e pus-me a pensar melhor na minha reacção que foi, na realidade, muito pateta e pouco inteligente. Então toca de mudar a atitude e pensar no que fazer.
 
 - Filha, o que me dizes de nos deitarmos na tenda a ler a história da noite?
 - Mas eu quero dormir na tenda, mamã! Vá lá, por favor!
 - Então lemos a história e podes adormecer na tenda e a mãe deixa-te lá dormir, mas depois levo-te para a tua cama porque na tenda a noite toda não é muito confortável. ok? Olha tive uma ideia, e se levarmos a lanterna para iluminar o livro enquanto lemos?
 - Eh boa!! Pode ser então mamã, mas deixas-me lá dormir um bocadinho, ok?
 
E pronto, lá fomos para a tenda, lemos o livro e quando ela ía adormecer diz: pronto mamã, já está bom. Acho que realmente prefiro dormir na minha cama.
 
E assim se faz uma miúda feliz, sem dificuldade nenhuma. E foi perfeitamente escusado eu dizer-lhe logo que não! Mais valia ter dito que sim, fazíamos toda esta brincadeira sem ter havido qualquer drama. Na realidade porque disse eu que não? Porque não queria mudar a minha rotina e ter esse trabalho. Porque me foquei no meu cansaço e no que eu queria. Mas este é um caso em que dizer que sim se mostrou super interessante e giro e vivemos juntas uma experiência diferente!

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Das vacinas

Cá por casa somos adeptos da vacinação (obrigatória e não só), sendo que a bebé já fez a primeira dose de Bexsero. Deparamo-nos agora como uma situação que nos está a angustiar. Por ter estado doente, teve de ser adiada a toma da segunda dose de bexero e, consequentemente, estamos com receio que tenhamos de adiar a toma das vacinas dos 12 meses, que inclui a do Sarampo! Mais do que isso, no final deste mês vamos para a zona de Lisboa passar um fim de semana e estou cheia de receio uma vez que os casos que surgiram foram de Lisboa para baixo. Nessa altura ela ainda não terá um ano e por isso não estará protegida. E tenho receio. Claro que tenho.
Uma certeza eu tenho, mal possa vai ser vacinada!!

11 meses da mais nova

A minha pequenina já tem 11 meses!
Nesta idade os nossos bebés estão cada vez mais engraçados e brindam-nos com novas gracinhas diariamente. Não é por ser o segundo filho que me encanta menos. Tenho o mesmo entusiasmo, com a única diferença que já acho mais "normal", apesar de igualmente doce.

 - Já diz olá e estreou-se no mama. Sabe tão bem ouvi-la dizer: mama! E ontem disse Mana. Ui que a mana mais velha ficou louca de alegria!!!!

 - Caminha agarrada a tudo, está sempre a pôr-se em pé e já aguenta uns bocadinhos sem estar agarrada. Caminha bem com as duas mãos dos adultos e já dá uns bons passos só com uma mão.

 - Continua pequena e leve, a minha mini fofinha.

 - Come relativamente bem, mas pouco de cada vez. Ainda não consigo em casa dar-lhe sopa + pato + fruta. Só consigo 2 das coisas nos dias bons. E mesmo que reduza a quantidade de cada um, ao trocar de paladares ela depois recusa o segundo prato.

 - É uma resmungona que não aprecia nada ser contrariada e tem uma vida que nos deixa exaustos.

 - Continua a adorar maminha.... e continua a recusar biberão. Amamentação até quando? Só o tempo o dirá.

 - Fica doente com demasiada frequência. Está novamente a antibiótico. Desde Fevereiro  já vamos no terceiro. Já não sei que faça. estamos realmente cansados, e sempre com as noites perturbadas por todas estas situações.

 - É muito meiga e gosta que lhe façam festinhas nas costas e encostar a cabecinha quando está cansada.

 - é o delírio da irmã mais velha que também já tem mais ciúmes. :)

quinta-feira, 13 de abril de 2017

4 anos e um admirável mundo novo

A minha mais velha mostra, a cada dia que passa, uma evolução comportamental incrível, obviamente característica da idade, que tem sido uma delícia de acompanhar. A eloquência dos seus raciocínios e respostas, deixa-me não poucas vezes pasmada. Às vezes parece que estou a ter uma conversa com um adulto sensato!
 
Ontem, com uma caderneta cheia de "cromos", fomos comprar um peluche do Lidl. Claro que gostou de mais que um, e agarrou logo uma vaca e uma ovelha. Rapidamente lhe expliquei que só podia escolher um e como funcionava o esquema das cadernetas.
 
 - Pronto, já percebi. Só posso escolher um hoje, não é?. Ok. Quero a ovelha.
 
E pronto. Poderia ter dado uma birra, apesar de ela nunca me ter presenteado com cenas complicadas nos supermercados, mas rapidamente percebeu que não podia ter mais de um peluche.
 
E como esta, há outras. Por exemplo lá em casa ela só come doces (um chocolate ou chupa-chupa), ao fim de semana. É uma regra e quando ela vem pedir basta perguntar-lhe em que dia da semana estamos que ela percebe o objectivo da pergunta e diz logo:
 
 - Pois, o que eu te queria perguntar é se posso comer no sábado!

Adoro que assim seja e adoro assistir a este magnifico desenvolvimento!

terça-feira, 11 de abril de 2017

E como eu não dou para o coitadismo...

Achei que devia dizer um BASTA à falta de exercício físico. Ficar a queixar-me do cansaço e noites mal dormidas, falta de tempo/vontade para exercitar e outras coisas que tais, não me devolve o bem estar que o exercício me traz, pelo que pus "mãos" à obra e toca de recomeçar. Sim, é verdade. Tão rápido me queixei como recomecei. Na verdade desde Setembro que não conseguia avançar com esta energia. Energia é como quem diz, que essa continua um pouco em baixa por aqui, tendo em conta que continuo a dormir pouco e mal. Mas não interessa. Não sei quando vou passar a dormir bem e não posso estar eternamente à espera pelo momento perfeito, porque esse nunca mais chega!
 
Há 2 dias que faço exercício. Sim, ainda só foram 2 dias, mas é para manter. A que horas? Às 22h, depois das miúdas estarem na cama e ter as coisinhas arrumadas e a cabeça tranquila. Esta não é, de todo, a minha altura favorita para exercitar, pois todo o tipo de exercício (que não seja estar deitada na cama), me custa! Mas é quando é possível. Antes disso tenho as meninas, e perto da hora de ir dormir não é altura para lhes tirar tempo. De manhã simplesmente nem de grua me levanto, ou a mais nova consegue acordar antes das galinhas, bloqueando qualquer hipótese. E na verdade à noite, raramente adormeço antes das 23h, sendo que fico a ver tv ou a navegar na net. A fazer exercício o tempo é mais bem utilizado, e posso ver tv na mesma, só não estou é deitada!
 
Voltei ao meu plano de bicicleta fixa e grupo de exercícios funcionais, feitos no domicilio seguindo o plano da Kayla Itsines. Correr também me saberia bem, mas penso que não devo conseguir mais que uma vez pr semana. Agora aos poucos vamos ver o que consigo introduzir.
 
E já sinto efeito, pelo menos a nível da energia diurna. Tenho menos sono, e sinto-me mais bem disposta.
 
A ver vamos se desta é de vez.

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Preciso de exercício! Por favor!!

Após vários anos parada em termos de exercício, quando engravidei da minha filha mais nova estava altamente motivada, corria umas 3-4x por semana 5-6km de cada vez, que não sendo muito, já era muito bom para mim! Quando engravidei, e por causa da gravidez de risco anterior, parei o exercício. Quando a mais nova nasceu, passadas 6 semanas já tinha reiniciado a actividade física, com muito esforço pela falta de descanso característica da altura. Mas depois das férias, em setembro, não consegui continuar. O cansaço foi acumulando, ela sempre acordou muitas vezes durante a noite e acorda muito cedo, e não tenho feito nada há mais de 6 meses. A questão é que sinto muita falta e muita  vontade de voltar ao exercício, mas o cansaço ganha-me todos os dias. Como travar este círculo vicioso? Como arrancar e manter-me fiel apesar do cansaço? Eu não gosto nem quero ir ao ginásio. Eu gosto de fazer em casa, mas tal só é viável quando elas já dormem, ou antes de acordarem. Mas depois de as deitar estou k.o., e a mais nova acorda 3-4x durante a noite e de vez lá pelas 6-7. Assim quando faço eu exercício?

quarta-feira, 5 de abril de 2017

O raio do setimento de culpa das mães

A mais nova está doente, com necessidade de ficar em casa o resto da semana. Eu estou numa fase profissional de imensa satisfação mas também, de imenso trabalho e responsabilidade. O que significa que, de repente, faltar 3 dias ao trabalho não seja fácil.
 
Até hoje, sempre que as pequenas ficaram doentes, ou fiquei eu em casa, ou um dos avós. Acontece que desta vez as coisas foram diferentes! Os avós paternos não estão cá, a avó materna tem os restantes netos a "acampar" na sua casa, pelo que ficamos sem rede de apoio. Assim um dos pais teria de faltar. Inicialmente ainda pensámos em ser eu, a escolha "óbvia" por ser mãe e estar habituada a lidar com elas quando estão doentes, mas logo vimos que em termos de logística profissional não iria ser fácil. E pronto, foi assim que pela primeira vez em 4 anos, ficou o meu marido em casa com uma das filhas.
 
Eu estou no trabalho num misto de satisfação por poder "seguir" a minha vida e de sentir que de alguma forma estou a falhar. O meu subconsciente (ou bem consciente) está aqui a dizer-me:  Afinal qual é a mãe que não fica com os seus filhos quando estão doentes? Afinal qual é a mãe que "deixa" que seja o marido a ficar com as crianças doentes? É engraçado que a mulher seja assim, com este sentimento de culpa latente. A criança está bem, com o pai que é perfeitamente capaz e auto-suficiente, e eu estou aqui a martirizar-me. E quando é ao contrário o meu marido vai trabalhar sem qualquer problema de consciência, apesar de ligar durante o dia a saber como estão as coisas.
 
Agora, como resolver este sentimento dentro de mim? Respirar fundo, aproveitar a excelente estrutura familiar que temos (e o facto de ambos "sabermos" tomar conta das crianças"), e trabalhar. Sexta feira está quase aí e depois já mimo a pequenina ao máximo!

terça-feira, 4 de abril de 2017

Elas crescem e eu desespero

As minhas miúdas estão umas crescidas (só no sentido figurado que a pequenita não é muito grande!) e com a mudança de estação está na altura de tirar do armário o que já não serve, e a roupa de inverno que não servirá, claramente, no próximo inverno. Ora isto é um desafio, não porque eu tenha dificuldade em guardar as coisas, mas porque tenho de ter tempo para ir buscar as caixas de roupa da garagem, e porque tenho de conseguir olhar para todas as peças de roupa que têm. Ou seja, o meu problema principal é tempo! Dito isto, é incrível, mas acho que, neste momento, 70% do armário está ocupado com coisas que já não servem. Principalmente à mais nova, que apesar de ser pequena, está naquela fase que cresce rapidamente (3 meses fazem bastante diferença!).
 
Deparei-me também com algo que não esperava. Como tenho duas meninas, com 3 anos e quase 3 meses de diferença, achei que passaria tudo de uma para a outra. Mas a mais velha, com quase 1 ano, estava em pleno inverno e era um pouco maior de tamanho. Assim a sua roupa de verão é toda 12-18 (grande) ou 18-24. Ora muitas das peças 12-18 ficam a nadar à mais nova!! Por isso avizinham-se algumas compras de roupa e possivelmente de umas sandálias para a mais nova. Para a mais velha preciso de comprar sapatos azuis (uns de camurça e uns e lona) para a primavera e umas sandálias brancas para o verão. Só falta ter vontade de ir às compras (coisa que não abunda por cá).
 
Estão a ver, ter filhos do mesmo sexo nem sempre é sinal de que tudo passa de um para o outro, mas a verdade é que já poupei muito dinheirinho com o reaproveitamento de roupa!
 
(E eu que ando com vontade de dar já toda a roupa da mais nova? Acho que é para não cair em tentação de ir ao terceiro!!)

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Estratégias

Todos nós, pais, sentimos que os dias voam e que as horas fogem pelo meio dos nossos dedos como se fossem areia, levando à sucessão dos dias, semanas, meses e anos a uma velocidade alucinante. Aqui por casa não é excepção. Dou comigo tantas vezes frustrada por não ter conseguido brincar um pouco com calma, ou dar-lhes mais atenção, envolvida nas tarefas diárias de fazer jantar, dar banhos, preparar as mochilas do dia seguinte, sempre a olhar para o relógio para que vão para a cama a horas decentes. Hoje, porque a bebé adormeceu muito cedo,  consegui sentar-me a pintar com a mais velha e fazer um puzzle. E, apesar de eu não adorar brincar, soube muito bem. Falar com calma sobre o nosso dia enquanto pintávamos, trocar sorrisos, fazer cócegas... 

Ultimamente tenho tentado desenvolver algumas técnicas para partilhar mais momentos com elas, principalmente dar mais atenção à mais velha. Está na fase em que adora super-heróis e brincar ao faz de conta, aos salvamentos e afins. Então, ainda este fim de semana, ela tinha pedido para eu brincar com ela, e eu precisava (mesmo) de tratar da roupa, por isso fui ter com ela e disse-lhe
- super mulher, preciso da tua ajuda! Quero estender roupa e não tenho molas! E agora?! Será que me podes ajudar e salvar o dia? 
Bem, ficou num sino e passamos ali uns bons 20 minutos a apanhar e estender roupa. Com ela toda contente por me estar a "salvar". Se demoro mais? Sim! Se preferia fazer sozinha? Às vezes sim! 
Hoje, por exemplo, esteve a lavar agriões comigo. 

No fundo tento partilhar momentos com elas e, ao mesmo tempo, fazer as actividades domésticas, sem sentir que não lhes dou atenção, ou que estou constantemente a dizer-lhe para esperar um bocadinho, ou que não posso. 

É incrível como apesar de as ir buscar cedinho, nas 2h30 até ao jantar às vezes não consigo ter 15 minutos para parar e brincar com elas sem distracções! Ainda por cima a mais pequena janta mais cedo, o que ainda leva o seu tempo.

Acredito sempre que isto vai melhorar e, entretanto, desenvolvo estratégias para que o tempo não me fuja e elas cresçam de repente! 

Nova realidade, novas amizades.

Este fim de semana, tivemos uma festa de anos de um amiguinho da mais velha, que também era dirigida aos pais. Foi muito giro e divertido, pois os pais acabaram por também estar a conviver e sentiram um pouco menos o peso das responsabilidades, enquanto tinham os filhos por perto mas com animadores!
 
É engraçado comoestamos a criar amizades (até bastante sólidas) com os pais dos amigos das filhas, com quem vamos descobrindo e desenvolvendo afinidades. Bem me diziam que, mais tarde, isto iria acontecer, e acabo por estar com 35 anos e a ganhar novos amigos.
A mãe de uma amiga da mais velha é, na realidade, uma das minhas melhores amigas, sendo que esta amizade começou há mais ou menos um ano. Muitas vezes dizemos que é tão engraçado como somos "compatíveis" e que, se não fosse pelas miúdas, nem nos conhecíamos.
 
Afinal nunca é tarde para conhecer pessoas novas, nem para estreitar laços improváveis. Por outro lado, algumas amizades vão ficando em "stand by", até que a vida faça o favor de nos reencontrar. Porque os verdadeiros amigos podem estar anos afastados, mas quando se encontram é como se nunca tivessem estado longe!

sexta-feira, 31 de março de 2017

Tanta coisa a acontecer, e tão pouco tempo para contar!

E quando dei conta quase há um mês e meio que não escrevia cá. Acho que deve ter sido uma das minhas maiores pausas. Não foi pensada, nem propositada, mas a vida "real" tem prioridade, e eu sou uma mulher com as prioridades bem definidas!
 
  Ora muita coisa decorreu neste período!
  - A pequenita já tem 10 meses (quase 11), e de repente tem 7 dentes já crescidos e mais um a nascer.
  - Começou a comer comida propriamente dita e adora!! Mal vê começa aos saltinhos na cadeira.
  - Já disse a primeira palavra! Adivinham qual?
  - É uma "fala-barato" e uma reclamadora de primeira! Deixa bem claro quando não gosta de algo, mas não pensem que usa só o choro como manifestação de desagrado! Não! Ela faz-se entender dando gritinhos, e abanando com os braços.
  - Adora colinho, mas também gatinhar pelo chão e apanhar tudo o que encontra.
  - Continua a só beber leite da mama, e a recusar o biberão.... enfim! Por isso as noites continuam uma animação! 3 a 4 despertares nocturnos para comer.... nem vale a pena dizer que estou cansada, certo? (como é obvio não usa chupeta, e já desistimos de tentar!)
  - No infantário ficam "passados" com o pouco que dorme (gente, eu avisei!), sendo que por vezes faz duas sestas que perfazem um total de 40 minutos durante o dia todo...
  - Fica todos (TODOS) os dias a chorar no infantário, sendo que agora já atira as mãos à Sra que a vem buscar e não se agarra ao meu pescoço. Acho que está a melhorar.
  - Continua a estranhar pessoas adultas, e a ser muito difícil sair do meu colo. Só vai 100% bem para o colo do pai, e por vezes para o da minha mãe. (Coitada da minha sogra que fica num desgosto só quando ela não me larga...).
  - Gosta de andar agarrada ao sofá, e com as nossas mãos. Não vou dizer que vai começar em breve a caminhar porque a mais velha era assim e depois só caminhou completamente sozinha já bem depois de fazer 1 ano.
  - Adora a mana mais velha! É uma loucura. Ri-se às gargalhadas com as palermices que a mais velha faz de propósito. Ah, também se ri quando a mais velha chora...
 
A casa anda uma animação, mas a verdade é que, depois de as ir buscar à escola, não tenho tempo para mais nada a não ser cozinhar, estar um pouco com elas, dar banhos e deitar. Quando termino as tarefas estou pronta para ir para a cama! A vida corre bem, o trabalho corre bem, só falta mesmo conseguir dormir!

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Sempre a surpreender!

A pequena está a ficar grande! Achávamos nós que ela ia demorar a pôr-se de pé e a miúda surpreende-nos ao pôr-se de pé agarrada à cama! Agora toca a baixar o estrado para o nível mais baixo!!

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Recomeçar

Sinto que a minha vida, apesar de parecer avançar muito rapidamente, tem estado parada em muitas áreas. O facto de dormir pouco faz com que me vá faltando energia e criatividade para colocar tudo sobre rodas, tal como me é característico. Gosto de sentir que faço coisas. Gosto de sentir que faço muitas coisas e tenho muitos planos, principalmente dos que se concretizam! E sinto que me anda a faltar isso nos meus dias. Uma das coisas que nós mais gostávamos de fazer antes de ter filhos era passear, fazer pequenas viagens, conhecer hotéis bonitos, conhecer o nosso Portugal. Assim, vamos reiniciar os nossos fins de semana em família, fora de casa, em hotéis que gostemos e em zonas que não conhecemos, a tentar fazer olhares moucas às vozes interiores do cansaço que dizem que só nos vamos cansar mais. O primeiro será já na altura do nosso aniversário de casamento! Nada melhor para marcar o ritmo para o resto do ano. Obviamente que será um fim de semana com as meninas, e não propriamente uns dias românticos a dois, como antes eram, mas será, com toda a certeza, bem mais animado!!

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

9 meses cheio de novidades

A pequenina já tem 9 meses! O tempo realmente voa, e é incrível como o seu desenvolvimento tem sido rápido nas últimas semanas. Tão rápido que acho que o sono tão cedo não melhora! 
Então aos 9 meses a minha pequenina (literalmente pequena pois está no percentil 15 em tudo):

 - já gatinha! Yheaaa! E a minha felicidade não se prende necessariamente com o facto de ter começado a gatinha, mas sim com um motivo muito mais egoista. Desde que se começou a mexer melhor e a chegar onde quer, anda muito mais sorridente e pede muito menos colo! Sim, a minha filha chorona e que só queria colinho e mimo está, finalmente, a melhorar nesse aspecto! 

- de repente estão a nascer imensos dentes! Uns 4 ou 5! Acho que já vai ficar com 8 (4 em cima e 4 em baixo), tem as gengivas numa miséria... 

- fala e palra imenso. Nada de palavrinhas propriamente ditas, mas muita conversa.

- brinca bastante bem no chão com os brinquedos, e não só gatinha como já é capaz de passar de deitada a sentada. Volto a repetir: esta autonomia motora trouxe-nos uma bebé bastante mais bem disposta! 

- já vai começar a comer peixe e gema de ovo e comida esmagada. Estamos a ficar mesmo muito crescidas! 

 - já bate palminhas, aliás é a sua principal gracinha, e já disse adeus algumas vezes, mas não é consistente. 

Agora só falta mesmo dormir melhor! Continua a não querer chupeta (que usa só para coçar as gengivas), nem biberão. O biberão ainda andamos a tentar, para ver se eventualmente eu conseguia dormir uma noite, mas parece-me que não vamos ter sorte nenhuma com isso! 

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

A trabalhar é mais difícil!

Tenho adorado estar a trabalhar. Apesar de continuar nas noites mal dormidas, tenho mantido a energia no trabalho e estou super satisfeita! Mas o tempo para cá vir reduziu-se a quase nada. Depois do trabalho é ir buscar as pequenas e entrar em modo mãe exausta, pois às 20h eu, na maioria dos dias, estou pronta para fechar os olhos. Só que não é possível pois há duas crianças para adormecer, que já tive de dar banho, vestir, brincar e alimentar! Mais um marido que está sempre lá mas só chega perto das 20h. Ou seja eu às 22h já sucumbi ao cansaço! E a pequena continua a mamar com muita frequência à noite. Sendo que hoje só acordou uma vez, eque bom foi!

A mais velha está prestes a fazer 4 anos e andamos em preparativos! Terá uma festinha para os amigos e outra para a família, tudo no mesmo dia!! Vai ser em cheio!!

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

8 meses

A pequenina já tem quase 9 meses e nas últimas semanas temos tido novidades a vários níveis! É oficialmente uma bebé tridente! E o 4º dente está quase aí a chegar tendo em conta o nível de baba e desconforto em que ela anda!! Já rasteja, como se fosse dos comandos, mas não parece querer gatinhar, pois deita-se no chão sempre que a ponho em posição. E começou a fazer gracinhas: bate palminhas tão bem (sempre que pelo meio não enfia as mãos na boca...) que apetece estar sempre a dizer: bate palminhas! No ultimo mês não aumentou de peso e, não sei porquê, mas estou com a sensação que este mês vamos ter o mesmo resultado na balança... começo a ficar preocupada mas vamos ver no que dá! Temos mais 10 dias até à consulta... Quanto às noites: continuam a oscilar entre más e péssimas. Já desisti de ter esperança que melhore nos próximos tempos. Talvez quando o 4º dente finalmente aparecer eu consiga ter algum descanso.

sábado, 28 de janeiro de 2017

De volta (ao blog, ao trabalho, etc!)

Já recomecei a trabalhar e, tal como esperava, estou a gostar bastante! É bom sentir que faço diferença, que aquelas horas são minhas e que me posso esquecer temporariamente de fraldas, sopas, brinquedos e outras coisas que tais, sem qualquer sentimento de culpa por estar feliz por ter o meu tempo. É bom reencontra-las ao final do dia e, tal como eu já sabia que iria ser, não estou mais cansada porque estive a trabalhar, bem pelo contrário! Venho com outra disposição para as brincadeiras, as birras de sono, os banhos e os jantares. Voltar ao activo fez-me bem, sem dúvida que sim! Também por isso tenho passado menos aqui, pois ando tão dedicada a cada área da minha vida que não tenho necessidade de cá vir arejar a cabeça. Sim, o blogue é um hobbie e uma distracção, mas quando poderia estar a escrever opto por ir dormir! Todo o tempo restante estou dedicada ao trabalho e família, sem necessidade de outras coisas. 

Só é pena as noites continuarem mazinhas.... por causa disso continua-me a faltar tempo para as minhas coisas, pois mal elas adormecem nós também acabamos por ir descansar. Nem energia para uma série! 

A mais nova continua a chorar quando fica na escola, mas já não estranha tanto e passado pouco tempo está bem! Cada vez mais doida pela mana mais velha, é uma animação quando chegam as duas a casa (às vezes é uma loucura!!!). 

Tudo bem por aqui. Estamos a viver a vida, antes que ela passe por nós!

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Está a chegar...

Estou quase quase a reiniciar a minha actividade laboral e na verdade já sinto falta. Sei que vou sentir falta das meninas (principalmente a bebé com quem estou em permanência há 8 meses!!!), sei que vai ser estranho voltar ao fim de tanto tempo, ter energia para trabalhar e desenvolver um novo projecto quando durmo pouco e mal, manter a minha alimentação saudável e manter o foco, e ter energia para acarinhar e brincar com as minhas menos quando voltarmos todas a casa ao final do dia. Mas desejo o dia de voltar ao trabalho. Por os meus neuróticos a trabalhar de forma mais intensa, sair do modo "mãe e esposa" e passar ao modo "mulher profissional" (que também gosto). Sei que não vou chorar quando a bebé ficar a chorar na escola. Não porque não me custa (porque sei que vai custar muito!), mas porque eu não sou assim, porque confio a 100% em quem fica com ela, porque sei que passados poucos minutos o choro irá passar, e porque com o tempo vai-se habituar. Dormisse eu melhor, e tudo seria bem mais fácil! ;)

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Ano novo, já chega tá?

As coisas não têm estado fáceis por aqui. Já não me lembrava de estar tanto tempo sem escrever, mas realmente tem sido impossível! A viragem do ano trouxe uma gripe forte ao meu marido, seguida da filha mais velha, e depois a mais nova. Agora, apesar de ser a única que não teve febre, é a minha vez de estar toda entupida. Têm sido dias e noites a medir temperatura, dar ben-u-ron e brufen alternado, com febres de 39 e mais a cada 4 horas, a velar o sono das pequenas para não deixar a febre subir de mais, a acordar a cada pequeno barulho feito e, por isso, dormir muito pouco e muito mal. Isto há 11 dias. Para ajudar à festa eu estou quase a ir trabalhar, deveríamos estar a fazer a adaptação da pequena à escola, mas ela ainda está a recuperar da sua virose e, todos os meus planos para estes primeiros dia de Janeiro foram simplesmente por água abaixo! É necessária uma grande capacidade de resistência ao cansaço e à preocupação por causa das pequenas mas principalmente à frustração de ver todos os planos alterados, e readaptar-me. Respirar fundo e pensar que não vou trabalhar com as energias recarregadas nem com as minhas coisas orientadas e organizadas. Vou trabalhar ainda mais cansada do que o que já andava e com tudo virado do avesso. Mas a vida é mesmo assim, certo? Cheia de voltas e reviravoltas. Que não seja nada mais grave e já é muito bom. O cansaço, esse, qualquer dia desaparece!Sempre o copo meio cheio. Sempre.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

A mais velha quer mais irmãos... ou talvez não!

- mamã, quando a mana deixar de usar a banheira dela vamos guardá-la. - sim filha, vamos guardar. - até tu teres outro bebé a crescer na barriga! - pois.... sim, logo vemos isso (do que eles se lembram!!). Estou a ver que queres mais bebés cá em casa. - espera mamã, mas só quero outro bebé quando a mana já for do meu tamanho, ok?

Olá 2017, sê bonzinho, sim?

E 2017 começou, não da melhor maneira como se fazia prever, mas com alguns contratempos. A pequenita está um pouco constipada, mas parece-me que nada de maior. O problema é o pai da casa que está com gripe. Gripe mesmo: febres altas, que custam a baixar com a medicação, desconforto, etc. Começou no dia 31 à noite e ontem passou o dia na cama! Não é o esperado início do ano, mas espero que seja o pior de 2017 para depois disto ser sempre a melhorar! A bebé ía hoje começar a adaptação na escola, mas vamos adiar um ou dois dias, uma vez que só começo a trabalhar daqui a 2 semanas, para ver se ela recupera totalmente. Ai ano novo, ano novo, sê bonzinho! Lá num dos meus desejos eu pedi saúde para toda a família, ok?

sábado, 31 de dezembro de 2016

Ano Novo, vida nova!

2016 foi um ano bom, marcado pelo nascimento da minha segunda filha, mas chego ao final deste ano cansada, com défice de descanso medonho, a sentir falta de tempo para mim, para ler, fazer exercício mas, principalmente, tempo para pensar. O que sinto no correr dos meus dias é que a minha mente cansada não pensa, deixa-se antes levar pela corrente dos dias confusos e rápidos. E, 2017, vai trazer mudanças importantes na nossa dinâmica familiar: eu volto ao trabalho, um trabalho novo, pertinho de casa, que me vai dar a vida profissional que ainda não sei se será aquela em que eu me vislumbrava há uns anos; a mais nova entra na escola, criando rotinas e ritmos que esperamos que venham a ajudar os ritmos familiares, e vai-me dar algum tempo para ser mulher e profissional. Entro em 2917 com desejos profundos de ser mais mulher, mais eu, mais centrada para depois me poder dar por inteiro à família, como um ser completamente satisfeito em si próprio e que, por isso, é um melhor elemento do grupo. Desejo ler mais, estudar mais, fazer mais exercício, continuar a fazer escolhas de alimentação saudáveis, ser mais calma, mais paciente e mais satisfeita, e menos crítica comigo mesma. Quero viajar mais e passear mais. Quero ter saúde e que os meus também a tenham, quero continuar a ser feliz mas mais descansada.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Dependência

A pequenina está quase quase a ir para a escola fazer a adaptação e eu, que a conheço como ninguém, sei o que lhe vai custar mais. Não vai ser as caras estranhas nem as comidas que não gosta, vai ser a falta da chupeta materna. A maminha da mamã, que tantas vezes lhe serve de consolo, que lhe embala o sono, que pede de "sobremesa" no fim de quase todas as refeições de colher (apesar de eu evitar ao máximo). Sim, vai ser a falta da minha maminha. E já quase que consigo visualizar o choro na hora de eu a ir buscar, com a ansiedade do meu colo e da minha mama. Amamentar é pratico, faz bem à criança, é o melhor alimento para elas mas, pelo menos no nosso caso, criou uma dependência gigante, e estas "pequenas" coisas custam a mudar. Consigo prever que vai passar a dormir ainda pior é que vai pedir mama a toda a hora que estiver comigo, nomeadamente durante a noite. Consigo ver este padrão e o meu sono a aumentar! Haja energia! São fases que passam, há que ter paciência.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Diferenças entre filhos

Hoje lembrei-me de ir ver a descrição que fiz da mana mais velha aos 6 e 7 meses e, como já tinha reparado, a mais velha tinha um desenvolvimento motor mais precoce que esta minha bebé. A verdade é que desde sempre acho a minha mais nova mais "bebé" que a mais velha. É mais pequena e mais leve (menos 2 cm e menos 1,5kg!), mas também a acho mais dependente, mais mimalha e, sem qualquer dúvida, mais agarrada a mim. Acho que tudo gira à volta da amamentação e que o facto desta pequena ser amamentada faz, mesmo, muita diferença. Esta nunca bebeu do biberão nem usou chupeta, pelo que a maminha da mãe é a comida preferida e o calmante sempre que necessário. A mais velha começou a usar chupeta aos 2-3 meses e desde os 3 meses que deixou de ser amamentada, pelo que o biberão era dado pela mãe, pai e avós. Não sei se é por isto, mas acho que sim, que a mais nova é tão "mãe". Por exemplo, a mais velha começou a gatinhar aos 7 meses e pouco e com 7 já se arrastava por todo lado - a mais nova para já apoia-se nas mãos e tenta levantar o rabo, e não rasteja. Outra coisa que a mais velha já fazia com esta idade era dar noites melhores, de dormir a noite toda ou acordar apenas uma vez para beber o biberão. Esta jeitosa continua a ter noites de acordar de 2-2h! Não há dúvida que cada criança é diferente e mesmo com os mesmos pais, cada um se desenvolve à sua maneira.

Para que fique registado - 1o dente!

E o primeiro dente nasceu aos 7 meses!! 

E outros devem estar a querer nascer porque anda desesperada! Choraminga, leva tudo à boca, morde, enerva-se, nunca está satisfeita, enfim. 

Contratempo

E agora que a bebé está quase a entrar no colégio, fica com uma conjuntivite! O mais incrível é que não esteve com ninguém que tivesse, por isso não faço ideia onde a arranjou! Agora só espero que a mais velha, que se tem queixado dos ouvidos, não fique também doente... A 3 semanas de começar a trabalhar não preciso de contratempos!! Preciso de, finalmente, ter algum tempo para mim, e poder pensar em outras coisas que não na maternidade!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Véspera da véspera!

Ontem tive o jantar de Natal com as minhas amigas de sempre e foi espetacular! Por causa das miúdas, e porque a bebé vive atrelada a mim, o jantar foi cá em casa, envolto em cuidados necessários às crianças, mas também envolto em amizade, conversas, reencontros e paz. Terminou muito tarde, e as horas de sono foram poucas principalmente porque, depois das pequenas adormecerem, começamos a conversar e já não conseguimos parar. É tão bom sentir que temos estas pessoas, à distância de um telefonema, que mesmo que só as veja 1 ou 2 vezes no ano, são pessoas que estão sempre lá. Mas hoje, mesmo com poucas horas de sono, é dia de preparar a véspera de Natal! Ultimar os preparativos das louças, decoração da mesa, etc, e deixar a casa minimamente em ordem para desarrumar tudo amanhã!! Estamos na véspera da véspera de Natal e eu estou em pulgas com a festa e com os presentes da minha mais velha!! Hoje perguntou-me: mama hoje é dia 23, amanhã tiramos o último papel do calendário do advento, e depois? Começa tudo de novo?

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Loucas são as noites, que passo sem dormir... e vem aí o Natal!

Noites longas de acordar mil vezes porque a bebé acorda. Agora tem os dentes a nascer, pelo menos um dos incisivos inferiores, e tem andado aborrecida, agitada, a dormir pior novamente durante o dia, a acordar (como de costume) muitas vezes durante a noite. E o marido que não está cá e faz tantaaaaa falta! 

No meio disto e do meu sonambulismo constante, ainda tinha as compras de comida para o Natal por fazer, que fui adiantar hoje de manhã, porque a ceia vai ser na minha casa, para bem da minha saúde mental (sim, prefiro ficar com a casa do avesso!) e para ver se consigo aproveitar alguma coisa do Natal, na esperança da bebé não estranhar tanto e conseguir dormir na sua cama. 

Para além de uma prenda de última hora para a miúda mais velha, que não queria nada no Natal, mas fez um pedido de última hora que queria mesmo mesmo muito, e como foi a única coisa que pediu, decidimos ir comprar (foi ele, que eu não me meto em shoppings! ), já está tudo mais que comprado e embrulhado, com as respectivas etiquetas, pronto para o pai natal distribuir! 

E este ano sinto-me estranhamente ansiosa com o Natal, porque sei que a minha filha, com os seus 4 anos, vai viver intensamente esta época, porque sei que independentemente das prendas que receber (é uma querida nisso e gosta de tudo!), vai andar toda feliz com os primos, indiferente ao consumismo, e porque vou ter a casa cheia da minha família, de um ambiente que costuma ser de grande animação (e muita confusao!), com jogos em que participa toda a família, com actividades inventavas para fazermos em conjunto, e com os miúdos a pedirem, sempre, para que o pai natal venha antes da meia noite! 

Feliz Natal! Vivam esta época, se possível, com um sorriso no rosto, dêem amor e carinho, abracem os que amam, comam os doces que gostarem (vá, sem exageros!) e principalmente, sejam felizes! 

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Pequenas vitórias

Aos poucos começo a conseguir adormecer a minha pequena, durante o dia, sem recurso à mama. A verdade é que o facto de não usar chupeta dificulta muito este trabalho e para bem da minha sanidade mental nunca forcei esta situação. Ela simplesmente berrava até não poder mais quando eu a tentava adormecer, e acabava a adormecer na mama. Também nunca ficou sozinha na cama. É assim. Não vale a pena lutar dias a fio contra algo que vai mudar, progressivamente, com o passar do tempo. Hoje, com a fraldinha na cara, e no meu colo, ela adormeceu em 5 minutos. Já com a mais velha aos poucos, sem nunca forçar, nem precisar de dias de berros seguidos, ela foi alterando o seu padrão de adormecer, até que quando saiu da cama de grades para a cama grande passou a adormecer na caminha, com o boneco após a história, em menos de 5 minutos! Espero que, com o passar do tempo, também se vá tornando mais fácil e natural com esta pequenina. Uma coisa eu sei, eu não consigo utilizar o método de deixar chorar sem lhes pegar. Simplesmente não aguento nem 5 minutos!